Avançar para o conteúdo principal

O que ganhas quando dás?

Personalidades ligadas ao mundo universitário da cidade, crentes e não crentes, narram experiências de voluntariado

Coimbra, 15 abr 2011 (Ecclesia) – O setor da diocese de Coimbra responsável pela relação da Igreja Católica com o mundo universitário lançou esta quinta-feira o livro ‘O que ganhas quando dás?’, cujas receitas revertem para o fundo solidário criado por aquele organismo.

Os textos que preenchem as 125 páginas da edição são um “sinal do quanto se ganha quando damos do nosso tempo e das nossas riquezas”, explicou hoje à Agência ECCLESIA o diretor da Pastoral Universitária da diocese coimbrã, padre Nuno Santos.

“Num tempo em que vemos tanta crise e tantas dificuldades, esta era uma maneira prática de dizer que há muito espaço da gratuidade por acontecer”, assinalou o sacerdote, acrescentando que o seu departamento tem a missão “de sublinhar o que já se faz e lançar desafios aos tempos de hoje”.

O critério de escolha dos autores foi a ligação ao mundo universitário e a experiência em projetos solidários, pelo que nem todos são crentes ou “católicos praticantes”, apontou Nuno Santos.

Entre as 23 personalidades que assinam o livro incluem-se o provedor do estudante, o administrador dos Serviços Sociais da Universidade de Coimbra e a diretora do Centro de Emprego, além de membros da Comissão Justiça e Paz e do Centro Académico da Democracia Cristã, assim como professores de diversas áreas.

Carlos Fiolhais, “o investigador português mais citado no mundo”, escreve “sobre um voluntariado que fez com a comunidade católica na Alemanha, quando estudava para o doutoramento”, trabalho “que marca para sempre a vida” do docente, referiu Nuno Santos.

O voluntariado na cadeia, o serviço prestado no âmbito da organização não governamental de cooperação ‘Leigos para o Desenvolvimento’ e uma ação cívica de alfabetização realizada em 1966 são alguns dos testemunhos recolhidos.

As redes sociais, o modo como as universidades se integram ou afastam da realidade em que estão inseridas e a “falta de ética das empresas” constituem igualmente temas abordados na obra, de que foram feitos 200 exemplares numerados, ao preço unitário de 12,50 euros.

A Pastoral Universitária de Coimbra espera lançar uma segunda edição, com a participação de mais autores, caso a primeira tiragem tenha um “bom acolhimento”, revelou o sacerdote, que também dirige o Instituto Justiça e Paz sediado na cidade.

O fundo solidário, que desde a sua criação, há um ano, atribuiu oito mil euros a 18 estudantes, tem sido alimentado com a venda de peças artísticas, jantares, recolhas nas missas e donativos, mas estas verbas são escassas para os pedidos de auxílio crescentes: “Este ano as dificuldades são maiores”, constatou o sacerdote.

fonte Agência Ecclesia

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…