Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2008

Filantropia em Portugal

Não existe tradição nas sociedades mediterrânicas, incluindo a portuguesa, de doar dinheiro para causas específicas, pois somos muito desconfiados. Normalmente as doações estão relacionadas com a religião e hábitos religiosos. Por exemplo, é interessante pensar que os católicos isentam os seus pecados na confissão, enquanto os protestantes não têm este costume, o que provavelmente leva a sociedade protestante a procurar alternativas para vingar os seus pecados. Realmente, ajudar
financeiramente quem precisa pode ser considerado um acto que engrandece o espírito e talvez por isso as sociedades com menos tradição católica, como países da Europa do Norte ou Estados Unidos, tenham encontrado na filantropia uma alternativa ou solução para aliviar os seus problemas.

António Parreira
Licenciado em Medicina pela Universidade de Lisboa e completou o seu doutoramento em hematologia na mesma Universidade. Dirige desde 1992 o Departamento de Hematologia Clinica e a Unidade de Investigação de Hemato-…

Biblioteca Nacional angariou 251 mil euros para projectos em 2007

No ano passado, a Biblioteca Nacional de Portugal angariou 251 mil euros em mecenato para os seus projectos, o que representa um aumento de 160 mil euros relativamente a 2006, revelou hoje o director da entidade.

Jorge Couto indicou que vários mecenas nacionais e internacionais, desde instituições, empresas e particulares, têm financiado actividades da BNP, nomeadamente a apresentação de exposições e o restauro de livros.

Actualmente, segundo o responsável, estão a ser negociados vários projectos em carteira.

Ontem, o ministro da Cultura, José António Pinto Ribeiro, defendeu na Comissão de Ética, Sociedade e Cultura a necessidade de incentivar parcerias com privados e também dinamizar o mecenato.

No diagnóstico que fez desde que foi nomeado pelo Governo para a pasta da cultura, Pinto Ribeiro comentou perante os deputados que "talvez tenha havido um défice de iniciativa e imaginação". "Será que alguém perguntou se há um mecenas que queira colocar o seu nome na nova torre …

Strategy of Giving

Your Customers Own Your Brand

If you think you are in charge of your brand, it's time to think again.

Your brand doesn't exist inside your company. It is not your advertising, your logo, your pr or your tag line. It exists in the minds of your customers, clients and donors. It's the images, ideas and feelings people have when they hear your name, see your products and services, view your materials. It's everything - the stuff you want to communicate and the stuff you communicate in spite of yourself. The value of your brand lies in people's perceptions of who you are and what you stand for.
Quick, think Apple computers. What comes to mind? IPod and IPhone? Cool? Innovative? Mac? Easy to use? Not compatible with PC?

Now think Red Cross. Emergency? Helpful? Great cause? Financial questions?

All those thoughts and feelings you just had represent those brands to you.

Too many marketers spend far too little time managing their brands. Here are a few common myths about brands and some tips for creating…

Uma boa ideia

A recolha de fundos deve ser feita com criatividade.
Não é com campanhas lamechas que se consegue tocar o coração dos doadores mas com ideias interessantes que desafiem a inteligência e apelem ao sentido estético de cada um de nós.

Vejam este exemplo da UN Word Food Program que se propõe doar 20 grãos de arroz por cada palavra acertada num jogo de cultura geral... naturalmente, com o apoio da publicidade etrategicamente colocada no rodapé da página.

Free Rice
Benetton apoia Birima

As imagens são muito sugestivas.
Como sempre, quando se trata de fotografias, a Benetton não brinca em serviço. Um bom exemplo de comunicação visual a partir de uma realidade muito carenciada.
A pobreza com dignidade, cor e muita alegria... tudo por uma boa causa.

© Benetton Group, Ph: James Mollison

para ver as outras imagens +