Avançar para o conteúdo principal

A Better Call to Action: Focus on the Single Next Step

I can't solve global warming, but I did put compact fluorescent light bulbs in all of my lamps.

I can't save all of those cats and dogs on death row in animal shelters, but I can pledge to get our next pet from a rescue organization (and we are, next week!)

I can't cure world hunger, but I can volunteer in a new community garden that will grow vegetables for a local food pantry.

If you ask people to do things that are too vague or too overwhelming, they won't do them. We see that time and again. That's why fundraising appeals with stories about helping a single person usually work better than stories about helping the masses.

Yes, there are exceptions to every rule and examples where nonprofits have asked people to do very hard, time-consuming, and expensive things, and their supporters have come through. But that's usually not the case.
What's That Very Next, Single Step?

While I haven't been able to fully adopt David Allen's Getting Things Done: The Art of Stress-Free Productivity (Amazon) into my own personal and work life, I have latched on to several of the basic tenets. For example, instead of listing out all of the things you need to do for all of the projects you are working on, GTD says to list in front of you only the "next action step." It forces you to break down big jobs into many baby steps that you put in order, and you focus on only that next step for each project.

While the GTD model was designed for personal time management, you can also use it to make your calls to action more specific.

Let's say you want to save the whales. Great. But I don't live on the coast and I get seasick, so there's nothing I can do, unless . . .

You ask me to watch a video about whaling. And then ask me to send a protest email to someone in power.

Or you ask me to pledge to stop buying products from a company that uses whale parts.

Watching a video or taking a pledge are simple, clear, next steps that I can take that, in the long-run, will help save the whales.

Let's say you help women get out of abusive relationships. You can't just say, "Leave your husband." It's too big of a step, with too many complications, and therefore it's too overwhelming.

But you could say, "Call this phone number when you can talk privately." Or "Tell one friend what's happening to you. Someone needs to know." Or "Teach your child how to call 911." These are all much more clear, simple, next steps that could ultimately lead a woman to safety.

Don't ask your supporters to save the world. Ask them to take that one next action step that puts them on the very first stepping stone to cross that wide river with you.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…