Avançar para o conteúdo principal

Figuras públicas reúnem-se para apoiar Maratona da Esperança

As entidades organizadoras da Corrida Terry Fox Portugal apresentam hoje, às 15h, a 16.ª edição da Maratona da Esperança. No local marcarão presença várias personalidades de renome como a embaixadora do Canadá, Anne-Marie Bourcier, Manuela Rilvas, presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC), Núcleo Regional Sul e de Tavares de Castro em representação da Roche Farmacêutica.

Na sede da embaixada de Canadá em Lisboa, Anne-Marie Bourcier recebe ainda figuras nacionais que se associam ao evento, de entre as quais se destacam nomes como Nelson e Sérgio Rosado, Guilherme Barroso, Patrícia Candoso, Rita Calçada Bastos, Sofia Duarte Silva, Ana Lúcia Chita, Jorge Mourato, João André e José Moutinho.

“Passo a passo fazemos a diferença” é o mote da edição deste ano, que surge com o intuito de reforçar a importância da mobilização e participação dos portugueses nesta que é a Maratona da Esperança na luta contra o cancro.

Graças ao forte movimento de cooperação a que se tem assistido ao longo dos últimos 16 anos, a mais antiga corrida de solidariedade nacional conseguiu angariar, até ao momento, 524.493,10 euros a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro, que com esses fundos financiou um total de 44 bolsas de investigação em oncologia, contribuindo para o avanço e desenvolvimento científico da área, bem como para melhoria das condições e qualidade de vida dos doentes.

A corrida decorrerá a 7 de Maio, sábado, pelas 11h, com início junto ao Pavilhão de Portugal (Rossio de Olivais), no Parque das Nações.

Para percorrer um percurso entre 1,5 e 5 kms, a inscrição, que pode ser feita no local a partir das 9h30, tem o valor de 5 euros, que revertem como donativo e inclui T-Shirt alusiva.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…