Avançar para o conteúdo principal

O que andam as estrelas a fazer para salvar o mundo


Clima, sida, guerra, pobreza... há uma estrela para cada problema mundial. Mas nem todos os porta-vozes são igualmente empenhados;



Luzes, câmara... e caridade? Cada vez mais estrelas do cinema e televisão tentam salvar o mundo, seja na luta contra o aquecimento global, contra a fome em África ou contra a sida. Leonardo di Caprio é a estrela mais "verde" de Hollywood, Angelina Jolie a mais preocupada com os refugiados, George Clooney o mais empenhado em chamar a atenção para a crise no Darfur, Bono o mais estridente contra a pobreza. Mas a estrela que mais verbas gasta em caridade é mesmo a apresentadora Oprah Winfrey.Winfrey doa anualmente mais de 50 milhões de dólares para várias acções e organizações, incluindo a sua Oprah"s Angel Network e a Academia da Liderança, que gere uma escola para raparigas na África do Sul. "Espera-se muito daqueles a quem se dá muito", disse Oprah Winfrey. "Não se pode participar de todos os benefícios do mundo e não dar algo de volta. Vai contra as leis da física. Se não se der de volta, então o que se tem estará diminuído", explicou a rainha dos talk-shows ao jornal norte-americano USA Today.

Outra estrela que aparece sempre que se fala em causas humanitárias é Angelina Jolie. A actriz diz que doa um terço do seu rendimento para acções de caridade e paga as suas deslocações feitas como embaixadora do Alto-Comissariado para os Refugiados da ONU. Falando sobre o seu empenho nestas causas, Angelina Jolie diz que dá e recebe. "Estas pessoas inspiram-me", afirmou numa entrevista à CNN. "Penso, meu Deus, as coisas por que estas pessoas passaram...Devo a todas elas parar com as choraminguices de que estou cansada e fazer alguma coisa porque é o mínimo que posso fazer."

Angelina também chama a atenção por causa das adopções de crianças - um menino do Camboja, uma menina da Etiópia e ainda um outro menino do Vietname.

Já o companheiro de Jolie, Brad Pitt, tem juntado ecologia com ajuda após catástrofe no seu projecto para Nova Orleães, com uma fundação chamada Make it Right. A fundação encarregou 13 empresas de arquitectura de projectar 150 casas que substituirão casas destruídas pelo furacão Katrina, em 2005. As casas devem ser praticamente auto-sustentáveis em termos energéticos - até agora foram construídas 15 habitações.

O casal "Brangelina" estava em sexto lugar na lista das celebridades mais generosas, com doações de 8,4 milhões de dólares em 2007.

A história das celebridades contribuírem para acções de caridade não é nova - mas actualmente quase que se espera que as estrelas tenham o seu projecto para salvar o mundo. A revista Time tem até uma palavra para isso: charitainment. As estrelas usam a caridade para aparecer, as organizações usam as estrelas para terem mais notoriedade. Todos ganham.

Mas o presidente do American Institute of Philantropy, Daneil Borochoff, diz que os supostos porta-vozes das causas nem sempre contribuem financeiramente para elas - ou pior, denuncia, chegam mesmo a ser pagos pelas organizações para as representarem. "O que é problemático é quando estas pessoas são pagas pelo seu trabalho de caridade", disse Borochoff ao USA Today. "Pode haver alguma quantia para que apareçam num dado evento. Nem toda a gente contribui", disse.

Comércio mais justo

Do outro lado do oceano, é impossível não falar de Bono quando se trata de estrelas que se dedicam a chamar a atenção para os problemas mundiais. O irlandês foi incluído na lista da revista Forbes de "celebridades generosas" pelo seu trabalho a favor da Debt Aids Trade África, que junta a luta contra a sida em África com a campanha da redução da dívida de países africanos.

O envolvimento de Bono em caridade não é de agora - ainda há pouco tempo se comemoraram os 25 anos sobre o lançamento da Band Aid e do seu Do They Know It"s Christmas, projecto lançado por Bob Geldof. Bono é ainda o promotor de produtos RED, cuja compra reverte para a luta contra a sida, e da empresa de vestuário Edun, que tenta estimular o comércio com países pobres com regras de comércio mais justas.

Nos concertos dos U2, Bono aproveita para falar da luta contra a pobreza, mas diz que tem de se conter: "uma banda rock é uma banda rock e não pode ser aborrecida", disse recentemente à BBC. "Quando começo a falar da pobreza, sei que tenho o Larry Mullen, o nosso baterista, atrás de mim, olhando para o relógio, a controlar o tempo", disse. Bono contribuiu ainda com 50 mil dólares para uma organização de ajuda a vítimas de abusos sexuais na Irlanda.

Também no plano empresarial, o actor Paul Newman fundou a empresa Newman"s Own, de produtos orgânicos - boa parte dos lucros revertem para caridade e a empresa já doou mais de 280 milhões de dólares para várias organizações desde a sua fundação em 1982.

Outra estrela que tem levado a cabo recentemente esforços de caridade é Madonna. A estrela da pop é uma das fundadoras da organização Raising Malawi, que se dedica aos órfãos do país, muitos deles perderam os pais vítimas de sida - e acabou mesmo por adoptar um menino do Malawi em 2006, numa acção que causou polémica. Recentemente, a cantora esteve no Rio de Janeiro para encontros com responsáveis de empresas, incluindo o multimilionário Eike Baptista, com o objectivo de estabelecer um projecto social não especificado.

Entre as estrelas há quem defenda causas que estão mais em voga - Leonardo di Caprio tem a vida facilitada com a ecologia, uma das causas mais populares. A estrela voa em aviões comerciais e não em jactos privados, conduz um carro híbrido, e co-escreveu, co-produziu e narrou um documentário, The 11th Hour, sobre o aquecimento global.

Já George Clooney escolheu o Darfur para emprestar o seu poder mediático. No início deste ano, o actor visitou campos de refugiados no Chade e tenta chamar a atenção para uma guerra que, diz, está injustamente esquecida.

Por outro lado, há ainda casos em que o poder das celebridades não é suficiente para pôr a causa nas páginas dos jornais: por exemplo os esforços da cantora australiana Natalie Imbruglia para falar das fistulas anais nas mulheres africanas não são especialmente bem-sucedidos, nem os da actriz Natalie Portman para a sua organização Foundation for International Community Assistance, que tenta fazer "com que os bancos abram os seus serviços aos mais pobres".

fonte Público

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…