Avançar para o conteúdo principal

Cruz Vermelha volta a vender Esperança

Numa época em que reina o espírito de paz, amor e solidariedade, a Delegação da Cruz Vermelha Portuguesa de Lisboa volta a associar-se à Leo Burnett para abrir pela segunda vez a STORE, a loja que, ao invés de produtos, vende esperança sob a forma de fundos e donativos.


Depois do sucesso da loja que foi inaugurada em 2008 no Dolce Vita Monumental, a nova STORE é inaugurada amanhã, dia 10 de Dezembro, no Dolce Vita Picoas Plaza e conta com Alexandra Lencastre e Paulo Pires como embaixadores.

A loja estará aberta durante um mês e assume uma estética diferente: se na edição anterior se apresentava como simulação de uma loja de roupa, com vouchers de compra de tamanhos S, M e L e provadores; desta vez personifica uma livraria, com um espaço lounge para a escuta de audiobooks com Histórias de Esperança.

Nas diversas estantes que compõem o espaço, alinham-se livros que variam consoante as causas a que a Cruz Vermelha se dedica e pelas quais será distribuído o montante final arrecadado. Este ano as causas estendem-se desde «Crianças e Jovens», «Idosos e Dependentes», até à «Educação e Formação para a Cidadania», causa que se bifurca no «Projecto Berçário» e na «Academia de Séniores».

Assim, encontraremos títulos como «A Criança que Aprendeu a Sorrir», que se prende com os mais novos, ou «Sonhos de Cecília: a História Ilustrada de uma Vida», com uma ligação a uma faixa etária mais idosa; histórias que começam em branco, nas páginas vazias que compõem os vários volumes, e que, à medida que forem compradas, mais próximas ficam da realidade.

Os clientes podem, dentro de cada uma das causas, optar ainda pelo valor com o qual decidem contribuir. Este assume 4 variantes e expressa-se nos marcadores de diferentes preços (5, 10, 15 e 20 Euros) que são, no fundo, a única coisa palpável com a qual os clientes deixam a loja.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…