Avançar para o conteúdo principal

Banca mantém investimento em projectos de responsabilidade social e cooperativa

A crise financeira internacional parece não estar a afectar o investimento dos principais bancos que operam em Portugal no sector da responsabilidade social e corporativa. Bancos como o Santander Totta, BPI, Banco Espírito Santo, Millennium bcp e Caixa Geral de Depósitos vão continuar com o seu compromisso social.

No âmbito do sector da responsabilidade social e corporativa, o Santander Totta tem como principal vector o apoio ao ensino e conhecimento, abraçando também projectos na área da solidariedade social, cultura e ambiente. No caso do BPI, o exercício da sua política de responsabilidade social exprime-se em múltiplas dimensões, como a cultura, saúde e solidariedade social, educação e investigação. Já o BES, em termos de investimento, faz uma distribuição equitativa entre o apoio à inovação, literacia financeira, solidariedade e mecenato cultural. Na sua dimensão social, o Millennium bcp visa contribuir para o desenvolvimento da comunidade, quer por via da acção cultural, quer pelo apoio aos mais carenciados. A Fundação Millennium bcp concentra-se essencialmente em três áreas: promoção do conhecimento, apoio da comunidade e promoção da cultura. Também a Caixa Geral de Depósitos, desenvolve projectos na área da responsabilidade social, assentando esta em três áreas prioritárias de intervenção: ambiente, educação financeira e solidariedade.

Apesar dos temores da crise financeira e económica internacional, os cinco principais bancos que operam em Portugal, pretendem manter para 2009 os compromissos que têm vindo a desenvolver nos últimos anos.

Em termos de orçamento para o sector da responsabilidade social, em 2007, o do Santander Totta foi de 3,3 milhões de euros, dos quais 2,3 milhões foram direccionados para o ensino e conhecimento. O Santander Totta afirma que "o orçamento em 2008 foi um pouco superior ao de 2007 e pensa manter os mesmos valores para 2009."

No caso do BPI, em 2008 o orçamento para a prática do Social foi superior ao do ano de 2007, uma vez que incluiu um novo compromisso na área cultural - o estatuto de mecenas principal para a Casa da Música. No entanto, devido ao cenário de crise, o BPI revelou ao PÚBLICO que prevê para 2009 "uma redução do orçamento, embora pouco significativa", não avançando com valores.

Quanto ao Millennium bcp, o montante efectivamente despendido com a actividade de mecenato e donativos em 2007 distribui-se da seguinte forma pelas áreas da cultura, beneficência e educação: 3151, 243 e 628 milhares de euros, respectivamente. Apesar da adversa conjuntura internacional, o Millennium bcp manteve o mesmo orçamento em 2008 e pretende manter os mesmos valores em 2009, apesar de estar prevista uma "reanálise de algumas iniciativas e da eventual negociação de alguns protocolos existentes."

Em 2008 a CGD continuou a assumir o compromisso que tinha estabelecido em 2007, com o programa Caixa Carbono Zero 2010, trata-se de um programa estratégico que visa contribuir para a redução do impacte ambiental das suas actividades. Em termos de valores para 2007 e 2008, a CGD não os revela, mas assegura que para 2009, apesar de o orçamento ainda não estar definido, se irá manter ao nível dos anos anteriores.
O BES contraria ligeiramente a tendência geral dos bancos concorrentes, sendo que o valor global do orçamento em 2007 foi de 3,9 milhões de euros para apoiar os projectos pelos quais são socialmente responsáveis, em 2008 esse mesmo orçamento aumentou e, em 2009 o banco afirma que "o peso relativo das iniciativas de responsabilidade social no conjunto do investimento institucional do BES vai aumentar já que se irá registar uma redução noutras dimensões, nomeadamente na comunicação".

Com mais ou menos oscilações em termos de orçamento, a tendência geral dos bancos será a de manter as suas políticas e projectos na área da responsabilidade social.

(Sara Felizardo - Público)

Comentários

Anónimo disse…
Boa tarde,

Convido-vos a conhecerem esta ONG www.par.org.pt!

Obrigado,

amandio.rodrigues@par.org.pt

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…