Avançar para o conteúdo principal

Os líderes mais éticos de 2008


Num ano pautado por catástrofes ambientais, financeiras e humanitárias, houve quem se tenha distinguido por remar contra a (má) maré. Segue-se o ranking das personalidades que mereceram este estatuto

Como habitualmente, a revista inglesa Ethical Corp nomeou, este ano, as personalidades que mais contribuíram para a causa da ética e da responsabilidade nas organizações. Composto por um extenso e variado conselho editorial da revista, que é uma das mais prestigiadas na área, o júri elege 10 líderes que realmente imprimiram a diferença no mundo. Por personificar o melhor dos inícios para abordar os mais problemáticos desafios da humanidade em 2009, o recém-eleito presidente dos Estados Unidos foi o vencedor do ranking de 2008. A confiança que Obama inspirou ao longo da sua campanha e que tocou líderes dos mais diversos quadrantes sociais – gestores incluindo – a par da sua promessa de tornar a nação que irá liderar receptiva e activa em novas políticas ambientais foram os aspectos que mais contribuíram para mais uma grande vitória do futuro presidente.

Segue-se o multi-milionário Bill Gates por ter dado a conhecer, em Davos, a sua versão do novo “capitalismo criativo”, algo já há algum tempo praticado, mas nunca tão bem expresso num discurso que acabaria por correr mundo e inspirar muitas empresas a utilizar as suas forças de mercado para ajudar os mais pobres.

O ano de 2008 ficará igualmente ficar marcado como aquele em que os investimentos responsáveis finalmente se afirmaram como instrumentos financeiros “credíveis”. Donald MacDonald, presidente dos Princípios das Nações Unidas para o Investimento Responsável (UNPRI), foi distinguido por ter angariado mais de 400 signatários deste programa, com activos no valor de 15 triliões de dólares, para actuarem como grupos de pressão junto das empresas para que estas cumpram os seus compromissos de sustentabilidade (nove mil assinaram o Global Compact das Nações Unidas).

Sustentável e muito bem conseguido foi o objectivo de Jessica Sanson, gestora da innocent drink, que conseguiu colocar em prática uma das estraté ias ambientais mais complexas do sector da alimentação e bebidas: a venda de produtos alimentares em boiões 100% recicláveis, reduzindo para metade a pegada de carbono da empresa, graças ao seu incrível trabalho de persuasão junto dos fornecedores de que realmente valia a pena fazê-lo.

Howard Peasse, responsável pela gestão do fundo de pensões e finanças ambientais da Environment Agency, do Reino Unido e James Hansen, climatologista e director do Institute for Space Studies da NASA venceram na defesa do ambiente: o primeiro por ter tido a coragem de destituir dois gigantescos gestores de fundos que falharam na missão de levar em conta as questões ambientais nos investimentos que faziam em nome dos seus clientes e o segundo por ter tido a ousadia de acusar, por diversas ocasiões os executivos das empresas de combustíveis fósseis de “crimes contra a humanidade e a natureza”.

Chris Wille, da Rainforest Alliance, foi também um dos eleitos por ter conseguido introduzir com mestria no mercado o conceito de alimentos e bebidas éticos. Sob a liderança de Wille, a agriculturasustentável tem vindo a expandir-se globalmente, tendo certificado até agora 33 mil quintas em 20 países, nas quais os agricultores utilizam práticas que protegem o ambiente e o bemestar dos trabalhadores.

Na área dos direitos humanos, o galardão ético foi para o director da Global Witness, Patrick Alley e para as campanhas de sensibilização que deram a conhecer a cumplicidade empresarial nos abusos perpetrados na República Democrática do Congo e que obrigaram o governo britânico a emitir um mea culpa em nome de várias empresas.

Por último, o representante especial das Nações Unidas para a área de negócios e direitos humanos, John Ruggie, foi reconhecido por ter conseguido realizar a hercúlea tarefa de definir o caminho que as empresas devem tomar relativamente a esta questão. O trabalho que apresentou em Junho deste ano – “Proteja, Respeite e Remedeie” – granjeou-lhe a confiança necessária para se manter mais três anos no cargo que ocupa, podendo colocar em prática as “normas” que definiu neste relatório no que respeita aos deveres das nações e empresas para com os direitos humanos.

No Jornal Hoje

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…