Avançar para o conteúdo principal

DOU

Chama-se dou.pt - Portal de Doações e pretende revolucionar a forma como os bens circulam em sociedade. Uma mesma plataforma online para unir quem já não quer a quem ainda precisa.
 
O conceito é muito simples. Na própria definição dos criadores do projecto, a lógica é esta: o dou.pt é uma "plataforma nacional para a reutilização de bens, que faz a ponte entre quem se quer desfazer de um bem e quem o pretende receber".

Pedro, um dos membros da equipa do projecto e que prefere o trato pelo nome próprio, explicou ao PÚBLICO que a ideia surgiu quando o computador do seu pai avariou, ao final de quatro anos. Percebeu-se então que bastaria arranjar uma placa gráfica nova e o PC poderia continuar a funcionar. Mas uma placa nova custava 70 euros - "o equivalente a comprar umas jantes de um Ferrari para um Fiat", graceja o criador.

"Com tantos computadores por todo o lado achei que era impossível que não houvesse alguém que me pudesse dar uma placa gráfica, o problema era saber quem. Encontrei um site chamado Freecycle que se propunha a fazer essa ponte, mas funcionava muito mal, estava fragmentado em 15 grupos estanques, no total não tinha nem 8000 utilizadores e ainda por cima era quase só mensagens a pedir coisas, e as que eram a dar nenhuma delas era uma placa gráfica."

Sem boa solução à vista, Pedro Saraiva foi perguntando aos seus amigos se alguém teria uma placa usada que pudesse vender e, finalmente, após três meses de perguntas, conseguiu que um amigo de um amigo lhe doasse uma placa que tinha guardada em casa e que já não usava. "Foi a primeira doação! Mas acho que gastei tanto em telemóvel como numa placa nova... tinha de haver um método melhor de operacionalizar este tipo de oferta e procura".

"Todos já tivemos objectos que a dada altura perderam o seu encanto. Alguns de nós tentam colocar esses bens no mercado de usados, mas muitos são arrumados e esquecidos para, eventualmente, serem deitados fora. É nessa altura que pensamos: 'isto de certeza que dava jeito a alguém'. Mas como poderia um indivíduo ter conhecimento desses hipotéticos interessados?". A resposta surge agora, com o dou.pt .

Este projecto é a criação de "um grupo de amigos, todos entre os 25 e 35 anos, a trabalhar no projecto em regime de voluntariado, como hobby", explica Pedro.

A quem poderá interessar o dou.pt? Virtualmente a qualquer pessoa, queira doar ou receber. Imagine que tem um mono lá em casa - um frigorífico ou uma máquina de lavar, por exemplo - e que se vai mudar para uma casa nova que já tem tudo isso. Talvez seja difícil vender esse mono, porque já lhe deu muitos anos de uso, mas será certamente fácil encontrar alguém que precise mesmo desse electrodoméstico e que ainda lhe possa dar mais uns anos de vida.

Por outro lado, imagine que quer comprar uma mesa e quatro cadeiras e que não tem dinheiro para isso. Basta ir ao dou.pt e poderá encontrar alguém que se queira desfazer de semelhante conjunto. É o equivalente online ao antigo método de pôr as mobílias velhas à porta de casa, à disposição dos transeuntes.

"Queríamos criar um serviço que resolvesse este problema de vez e graças ao Freecycle tínhamos uma noção clara do que é que tinha de ser melhorado. No dou.pt todos os artigos vão estar georeferenciados e categorizados permitindo que o serviço seja tanto nacional como fácil de consultar, já que cada utilizador verá os seus resultados de pesquisa ordenados por proximidade geográfica, podendo ser apurados por qualquer zona, raio e categoria à escolha. Vamos também permitir que as transacções sejam cotadas pelos participantes para evidenciar as boas práticas e vamos integrar o Facebook no serviço destacando os artigos e utilizadores que pertençam ao círculo social dos utilizadores. Há ainda muitas outras pequenas melhorias que vão tornar o processo tanto seguro como rápido, intuitivo e divertido".

O projecto prevê ainda que todos os objectos que não encontrem novos donos possam ser reciclados de forma sustentável.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…