Avançar para o conteúdo principal

Key findings from UK Giving 2008

General Giving Information

Giving to charity in the UK continues to be an activity undertaken by the majority of the population. 56% of respondents had given to charity within the last four months. This level remains similar to last year
The average donation was £11.
The total amount given by UK adults to charity was £10.6 billion.

Who gives to charity?

Overall in 2007/08 women were more likely to give to charity than men regardless of marital status, age or income. However the gap between men and women has narrowed slightly from 2006/07

The amounts given differ significantly by gender. Women on average gave £354 compared to £442 given by men.

Male donors gave larger amounts in 2007/08 than in 2006/07, and as such much of the increase in mean average giving and the total amount given has been driven by the changes in the giving behaviour of men.

The age group most likely to donate is the 45-64 age group. The least likely are 16-24 year olds.

Unsurprisingly the occupational group most likely to give are those working in relatively well paid managerial and professional occupations

Who benefits from giving?

Medical research remains the most popular cause (supported by the largest number of donors)
Religious charities receive the largest proportion of the amount given to charities
The arts, sports and environmental charities are the least widely supported causes.

Methods of giving

Card/ cheque donations account for the greatest amount of donations, overtaking Direct Debit donations this year.
Cash donations have dropped by £365 million from 2006/07. However cash remains the most popular method of giving amongst donors as ‘loose change’ donations.
Payroll giving remains the method that channels the least amount of money to charity.

ver o documento completo (PDF 363 kb)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…