Avançar para o conteúdo principal

Sabe quem está nas redes sociais?



Um estudo do Pew Research tem alguns dados interessantes sobre quem está nas redes sociais. Primeiro, alguns resultados não tão surpreendentes:
  • 83% dos utilizadores da Internet, entre 18 e 29 anos, estão nas redes sociais.
  • 71% dos internautas do sexo feminino estão nas redes sociais.
  • 62% dos internautas do sexo masculino estão nas redes sociais.
Portanto, muitas pessoas usam as redes sociais, sobretudo as pessoas mais jovens. As mulheres um pouco mais do que os homens. Faz sentido!

Seguem agora os resultados inesperados:
  • 52% dos internautas entre 50 e 64 anos estão nas redes sociais.
  • 32% dos usuários de Internet acima de 65 anos estão nas redes sociais.
Ups! Provavelmente não esperava isso. As pessoas mais jovens, com certeza, mas tantas pessoas de 50 anos ou mais? Uau, isto é notícia!

De longe, a maioria deles está no Facebook, mas também está no Twitter, Pinterest, Youtube, etc.

Que interesse tem tudo isto para o nosso fundraising? Bem, isso não está muito claro - ainda. As redes sociais não são propriamente o melhor terreno para o fundrising. A maior parte das organizações sem fins lucrativos ainda não descobriram como usá-las de forma eficaz. Por outro lado, todas essas pessoas estão a usar as redes sociais nas suas acções filantrópicas. E este é um dado importante e seria óptimo se o pudéssemos usar no nosso relacionamento com eles.

Mas há uma maneira que poderá funcionar. Digamos que um fã de nossa organização está no Facebook e passa a comentar a nossa causa. Possivelmente um amigo dele vê e interessa-se pelo assunto. Depois, visita a nossa página do Facebook, coloca alguns comentários pessoais e torna-se um novo fã.

O nosso novo fã continua a seguir e comentar as actualizações da nossa organização. Mais tarde decide inscrever-se para receber uma newsletter, responde a um inquérito, assina uma petição on-line ou regista-se num evento. Nesse ponto, já temos um promocional (prospect). Depois, quando receber um e-mail nosso com algum pedido para colaborar numa campanha, esta pessoa poderá decidir dar um donativo. Nesse ponto, já teremos um doador.

Este caminho de conversão é infalível? Simples? Rápido? Não, para termos alguma oportunidade teremos que produzir o conteúdo certo e colocá-lo no canal certo.

Os doadores usam este canal. Cabe-nos a nós entendê-lo, aprendê-lo, ajustá-lo, e chegar a utilizar a melhor forma de nos conectarmos com eles.

* nos EUA

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…