Avançar para o conteúdo principal

Writing for Social Media, and to Raise More Money

I often hear social media pros scoff at the idea of trying to raise money on Facebook or Twitter. Too pushy and self-centered, they say. At the same time, I often hear fundraisers scoff at social media. Not direct enough contact with supporters, with questionable ROI, they say.

I find this all very interesting, because I think there are actually more similarities than differences between good social media communications and good fundraising communications. Here are three examples:

Both Are Best When Personal.
It's hard to be successful as a faceless organization in social media. You'll have more success if you let your staff show some personality online (easier) or establish a real personality (aka brand) for your nonprofit (harder). Likewise, the old fundraising maxim says people give money to other people, not to organizations. Major gifts fundraisers are all about really getting to know their donors as individuals so they can make their communications highly personal.

Both Are Best When Timely.
Social media is always on, just like cable news. That doesn't mean you have to be there 24/7, but it does require that when you are there, you are talking about the here and now and the fairly near future. Fundraisers also know the power of genuinely urgent needs and deadlines to motivate donors to give.

Both Are Best When Filled with Gratitude.
It's polite, and when you are courteous, people like you more. It's that simple. There are lots of ways to show gratitude beyond a direct "Thank You" although those are always good too. In social media, retweet or click the Like button. When someone does or says something nice, return the favor. In fundraising, give your donors credit for the good things their contributions bring about. Tell them stories about the people whose lives they've changed.

by Kivi Leroux Miller

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…