Avançar para o conteúdo principal

Ser Pobre não é Vergonha, Vergonha é a nossa Indiferença

O presidente da Cáritas de Portalegre-Castelo Branco foi surpreendido com a iniciativa de uma empresa que sorteou um vale de 100 euros em compras pelas pessoas que contribuíssem com um euro para aquela instituição.

Em declarações à Agência ECCLESIA, Elicídio Bilé reconhece que foi apanhado “de surpresa” pela ideia da Best Fit, loja de artigos desportivos que abriu há cerca de um ano em Portalegre.
O responsável qualifica de “muito interessante” o projecto que rendeu 551 euros à Cáritas, especialmente “num meio pequeno, onde o comércio tradicional está a passar uma crise muito grande”, com empresas a encerrarem em “catadupa” e a actividade a “diminuir todos os dias”.

“O que ressalto na Best Fit é o facto de eles tomarem a iniciativa por si próprios”, depois de “confrontados com a actividade e com as preocupações da Cáritas”, salienta Elicídio Bilé.
“Não é vulgar que, livremente, as manifestações de solidariedade, partindo de um sector de actividade que também é fortemente afectado pela crise (…) se expressem desta forma”, escreveu o responsável no site da Cáritas de Portalegre-Castelo Branco ao referir-se à campanha, que não exigia qualquer aquisição de produtos da loja.

“Fica demonstrado – acrescentava Elicídio Bilé – que a crise, sendo grave, não esmaga os sentimentos mais nobres e os valores que devem pautar uma sociedade mais justa e fraterna.”

O sorteio da campanha, denominada "Ser Pobre não é Vergonha, Vergonha é a nossa Indiferença", realizou-se a 29 de Dezembro, na presença do presidente da Cáritas diocesana.

A instituição de apoio social da Igreja Católica elogiou a ideia através de carta enviada à Associação Comercial de Portalegre, tendo desafiado os responsáveis desta entidade a alargarem a iniciativa aos restantes membros, convite que já mereceu resposta positiva.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…