Avançar para o conteúdo principal

Igreja com campanha no multibanco

Espaços da aplicação devem ser preenchidos com o dígito 2, seguidos do montante da dádiva

É só carregar na tecla 2 em todos os campos a preencher no multibanco para fazer uma dádiva. Depois, no último passo, escolhe-se o valor a doar. Esta é mais uma plataforma que a Igreja Católica Portuguesa quer usar para ajudar os mais pobres a enfrentar a crise.

"O dinheiro será usado em projectos concretos para ajudar os necessitados", explicou ao DN um dos bispos auxiliares de Lisboa. D. Carlos Azevedo, que ontem em Fátima debateu, com centenas de participantes da Pastoral Social, os principais problemas que afectam os portugueses.

O bispo dá como exemplo os casos, cada vez mais gritantes, de casais em que ambos ficam no desemprego. "Uma das formas de ajuda é ajudar na criação do próprio emprego, por exemplo", diz D. Carlos Azevedo, presidente da Comissão Episcopal de Pastoral Social.

O destino a dar aos donativos, que entrarão directamente no Fundo Social Solidário, criado em Julho, terá de ser regulamentado pelos bispos portugueses, numa reunião a realizar em Novembro. "Mas já é possível doar verbas", garante.

Esta forma simples e fácil para quem quiser ajudar a Igreja no seu apoio social. A hierarquia católica quer, porém, regras muito bem definidas para este apoio financeiro. As paróquias e as dioceses serão chamadas a definir quem deve receber ajuda do Fundo Social Solidário. Até porque o clero português quer evitar a todo o custo a má utilização do dinheiro, como tem acontecido nalguns casos do rendimento social de inserção (RSI).

Quem dá a voz a essa crítica é o director do Internato de crianças e jovens de Viseu, que ontem também esteve na reunião: "A lei do RSI até está bem feita, mas as pessoas recebem esse dinheiro sem trabalhar, sem que lhes seja pedida responsabilidade e por isso contornam a lei."

O presidente da Cáritas Portuguesa, Eugénio Fonseca, lamenta o facto de ainda não haver regulamento do funcionamento do fundo, para que se divulgue o pedido de partilha a quem possa ajudar. Eugénio Fonseca disse que, até Agosto, tinham sido doados 34 322 euros. O destino dessa verba só será definido em Novembro.

Quem está no terreno sabe bem as grandes carências. Uma das voluntárias da Paróquia de Santa Isabel, em Lisboa, Ana Jernis Pereira, 68 anos, diz que, com a crise, organizaram-se dez equipas de 15 pessoas cada para fornecer ceias a quem tem fome: "Estão a aumentar os pedidos de ajuda, não podemos ser indiferentes."

cortesia DN

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…