Avançar para o conteúdo principal

EDP convida clientes a ajudar refugiados

A EDP quer ampliar a sua parceria com a agência para os refugiados da ONU, através de uma campanha na qual vai pedir aos clientes para contribuírem com quatro euros anuais, anunciou quinta-feira o presidente da empresa, António Mexia.

Numa conferência de imprensa conjunta com o Alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), António Guterres, o presidente da EDP afirmou que o projecto realizado no campo de refugiados de Kakuma funcionou e quer “que ele seja agora replicado”.

“Queremos multiplicar este efeito através dos nossos parceiros e dos nossos clientes. Vamos lançar o desafio aos portugueses para que, com verbas relativamente simbólicas, cerca de quatro euros por ano ou 30 cêntimos por mês, conseguir mais fundos para intervir nos campos dos refugiados”, declarou António Mexia.

A conferência foi dada durante a Iniciativa Global Clinton, em Nova Iorque, no âmbito da qual há um ano a EDP e o ACNUR acordaram esta iniciativa. Desde essa altura, a EDP já investiu 1,3 milhões de euros no campo de Kakuma, no norte do Quénia, onde vivem cerca de 70 mil pessoas.

Fornos solares, captação de água, iluminação pública e actividades educativas foram algumas das actividades empreendidas tendo como base as energias renováveis.

Para o presidente da EDP, ao ajudar populações numa área onde não tem investidores nem clientes, a empresa mostrou ter “uma visão global, ambição global e responsabilidade global”.

A EDP está agora a estudar a ampliação do projecto à totalidade do campo de Kakuma e a outro campo de refugiados em África. Para isso, vai procurar ajuda de outras empresas e dos seus clientes portugueses a quem dar oportunidade, “de uma forma muito transparente, seguir o seu investimento, de ver o impacto do seu envolvimento na alteração da vida de muitas pessoas”, afirmou António Mexia.

António Guterres considerou a parceria com a EDP “uma parceria triplamente exemplar”. Primeiro porque “associa uma empresa privada a uma causa social e o faz permitindo que a empresa traga a sua competência técnica na sua área de especialidade, mas também a sua capacidade de gestão de projectos”. Em segundo lugar é “exemplar na medida em que usa a inovação tecnológica para resolver problemas que não têm solução no quadro das energias tradicionais”.

E em terceiro lugar, acrescenta, “porque se trata de utilizar tecnologias sustentáveis, tanto porque se tratam de energias renováveis, mas também porque estão a ser levadas a cabo com a utilização simultânea de mão de obra local, que ganha a capacidade de assegurar a sua manutenção e de permitir que este projecto se possa manter indefinidamente, garantindo o serviço às populações abrangidas”.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…