Avançar para o conteúdo principal

Os caça-talentos já recrutam para organizações não governamentais

Das empresas de "executive search" contactadas pelo PÚBLICO apenas a Amrop admite seleccionar e recrutar gestores de topo para organizações não-governamentais. Maria da Glória Ribeiro, "managing partner", revela que são as empresas que patrocinam as ONG que solicitam e pagam os serviços de "executive search" e é das áreas de educação, saúde e sustentabilidade ambiental que chega o maior número de pedidos.

"Não tenho dúvidas de que com a profissionalização em geral destas organizações, haverá, inevitavelmente, mais pedidos. A percentagem ainda é pequena, mas nos últimos cinco anos temos feito cerca de quatro recrutamentos por ano", diz.

O perfil pretendido tem algumas "particularidades". É preciso estar "preparado para viver na ambiguidade e enfrentar obstáculos que, por vezes, são irracionais numa organização privada". O valor do salário a oferecer tem peso na resposta do candidato e é, para João José Fernandes, director-geral executivo da Oikos, um dos maiores entraves à captação de quadros com experiência.

São os jovens em início de carreira que mais colaboram na Oikos, tal como trabalhadores em situação de pré-reforma e com experiência profissional, preciosa para a organização.

"É quase impossível recrutar alguém com 40 anos e no auge da sua carreira", assume João José Fernandes que lidera a organização, a primeira em Portugal a publicar um Relatório de Sustentabilidade.

A profissionalização das ONG é uma tendência para ficar até porque, refere Rui Loureiro, da consultora Sair da Casca, para captar financiamento as organizações sem fins lucrativos precisam de, cada vez mais, informar os seus parceiros da forma como gastam os donativos. "Em Portugal, as empresas não têm estratégias de filantropia e a continuidade dos projectos está anualmente posta em causa.

A prestação de contas facilita a continuidade dos projectos e retém doadores", lembra. Lá fora, diz João José Fernandes, "a sociedade já percebeu que para ter ONG a prestar contas, é preciso ter recursos humanos competitivos e bem remunerados".

Público - Caderno de Economia (3 de Outubro)
por Ana Rute Silva

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…