Avançar para o conteúdo principal

Pedir demasiado pode prejudicar-nos?


O fundraising é a arte de pedir. Mas quantas vezes devemos pedir? Antes de responder a esta pergunta gostaria de  falar antes sobre o mito da sobre-solicitação (oversoliciting).

Algumas pessoas, etre as quais me incluo, acreditam que é precisa acabar urgentemente com este mito. É o caso do Agitador num post muito interessante que partilho aqui:
Dangerous Myth Too much solicitation causes poor retention.

Muita gente pensa que quanto maior o número de solicitações mais irritados ficam os doadores e consequentemente mais rapidamente se afastam da nossa causa e também a retenção acabaria por ficar comprometida...
 
No entanto, não existem dados científicos que confirmem ou fundamentem esta afirmação. Estamos perante um mito que surge das queixas mais comuns dos doadores e que aparece nos inquéritos de opinião sobre a frequência das solicitação. Mas estas "denúncias" não confirmam o que se passa na vida real. 
 
Mais solicitação não diminuem a retenção. O maior perigo surge da sub-solicitação. Se quisermos, esta é a maneira mais rápida de acabar com as receitas e diminuir a retenção. 

Em vez de nos preocuparmos com a frequência com que comunicamos com os doadores e com a suposta perda de receitas, deveríamos antes estarmos preocupados com a nossa relevância.

# Se falamos apenas da nossa organização, por mais reduzidas que sejam as solicitações, já estamos a exagerar (oversoliciting)

# Se não agradecermos aos nossos doadores e não lhes contarmos o que estamos a fazer com o seu dinheiros, já estamos a exagerar (oversoliciting)

# Se não falarmos a linguagem dos nossos doaores mas queremos antes ensinar-lhes a nossa linguagem, já estamos a exagerar (oversoliciting)

Portanto, se fizermos bem o nosso trabalho, quanto mais pedirmos mais conseguiremos e naturalmente os nossos doadores mais tempo ficarão connosco.
 
Boa sorte e bom trabalho!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Angariação de donativos nas ONGD portuguesas

Olá Amigos,
há algum tempo que não publico nada neste blog, e por esta ausência, peço desculpa :)

Hoje gostaria de dar a conhecer um grupo interessantíssimo, o GBU (Grupo Bíblico Universitário), uma associação cristã de jovens universitários que procura conhecer, viver e comunicar a mensagem cristã nos estabelecimentos de Ensino Superior em Portugal. Se quiserem saber mais sobre esta organização, por favor, acompanhem o grupo GBU no Facebook.

Que tem isto a ver com o nosso blog?

A GBU é uma organização pequena mas já está a tomar o fundraising muito a sério. No último Seminário da Call to Action, tive a alegria de conhecer o Tiago Carmona, o dinamizador e responsável pela angariação de fundos desta associação. O Tiago é um estudioso e um fundraiser respeitável. Recentemente apresentou no ISCTE uma tese de mestrado notável, sobre um tema muito interessante: ANGARIAÇÃO DE DONATIVOS NAS ONGD PORTUGUESAS.

Nas palavras do Tiago "esta investigação procura analisar em que medida as ONG…

Vencedor de prémio do Euromilhões vai doar 50 milhões de euros

Um francês, que ganhou um prémio do Euromilhões em Fevereiro no valor de 72 milhões de euros, vai doar 50 milhões a associações solidárias do seu país. A doação do homem, que pediu o anonimato, à entidade que gere os jogos de sorte é uma das maiores alguma vez feita por vencedores daquele jogo.

Segundo a RTL, o francês validou o boletim em Haute-Garonne, sudoeste de França, e após ser conhecida a chave sorteada ainda levou alguns dias a reclamar o prémio de 72.149.579 euros. Três meses após o sorteio, o homem vai doar quase dois terços do prémio a associações de solidariedade de um dos nove países que participa no Euromilhões, incluindo Portugal.

A FDJ, entidade francesa que gere os jogos da sorte, indica que o vencedor é um homem com cerca de 50 anos, sem filhos, que tem uma “fibra solidária”. É um “generoso doador anónimo” e pretende seguir com “atenção o que irá acontecer com os fundos”, acrescentou, citada pela AFP.

Não é a primeira vez que um francês vencedor do Eurom…