Avançar para o conteúdo principal

Portugueses cada vez mais solidários


Os portugueses estão mais solidários face ao que acontecia há três anos. Segundo um estudo realizado este ano, 30% dos portugueses contribuem de forma regular com donativos para acções de solidariedade social, enquanto em 2010 a percentagem se ficava pelos 11%.
“As pessoas têm mais atenção no que diz respeito à solidariedade social. Ouvimos todos os dias nas notícias casos de pessoas que precisam de ajuda e cada um de nós conhece alguém que está em necessidade”, explica Luísa Villar, presidente da associação Link, responsável pelo estudo Solidariedade e a Responsabilidade Social em Portugal: Onde Estamos?, que foi apresentado nesta quarta-feira em Lisboa.
Contudo, apesar do aumento do número de pessoas que contribuem regularmente para acções de solidariedade, são também mais os inquiridos que afirmam não contribuir para qualquer causa solidária (eram 46% em 2010, contra 54% em 2013), dos quais fazem parte os indivíduos que já deram apoio a instituições ou ONG no passado e que agora deixaram de fazê-lo de forma regular e que aumentaram de 11% para 22%)
De acordo com os resultados, os portugueses preferem ajudar através do donativo de bens alimentares (74%), seguindo-se o voluntariado (35%), os donativos em peditório de rua (31%) e os donativos no momento do pagamento de compras (27%).
“Os portugueses ajudam se não lhes der trabalho”, refere Luísa Villar, para explicar o facto de a doação de bens alimentares ser a principal escolha dos inquiridos. “Se for comprar um pacote de arroz, compro dois e isso não custa nada”, acrescenta.
O mesmo argumento ajuda a explicar por que os donativos por transferência bancária não são comuns entre os inquiridos, representando apenas 12% das preferências. “Nos Estados Unidos, cada pessoa contribui para uma ou duas associações por transferência bancária todos os meses. Aqui, as pessoas não gostam disso, dá-lhes trabalho e não gostam de ajudar sempre a mesma instituição”, explica a presidente da Link.
No entanto, se a doação de bens alimentares aumentou, o mesmo não se pode dizer do voluntariado, que diminuiu sete pontos percentuais face a 2010 (de 42% para 35%). Quanto ao seu perfil, a maioria dos voluntários tem entre 18 e 24 anos e tem maior prevalência no interior do país. Quanto às pessoas que fazem donativos, têm maioritariamente entre 45 e 54 anos e concentram-se sobretudo no Litoral Norte do país, não existindo diferenças de comportamento entre homens e mulheres nos dois casos.
As crianças e os idosos são os grupos considerados prioritários para o apoio social por 76% dos inquiridos. Seguem-se os deficientes (54%), os doentes (51%) e os sem-abrigo (48%).
O estudo revela ainda que 81% das pessoas entendem que a realização de acções de causas sociais deveria ocorrer ao longo do ano e não apenas no Natal, o que representa um aumento face aos 70% em 2010.
Quanto às acções de solidariedade social, o Banco Alimentar é a mais conhecida dos portugueses (32%), seguindo-se a campanha Arredonda, (com 7%). As marcas mais associadas a acções de carácter social são o Continente (25%), o Lidl (11%) e o Pingo Doce (9%).
O estudo foi feito com base nas respostas de 1021 indivíduos com idades compreendidas entre os 18 e os 64 anos, distribuídos proporcionalmente por todas as regiões de Portugal continental. Os inquéritos foram conduzidos entre 17 e 28 de Maio pela empresa GfK, através de entrevistas directas nas residências dos inquiridos.

Comentários

Neha Singh disse…
Nice blog related to fundraising, Thanks for sharing.

Fundraising on facebook

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

FUNDRAISING EM AÇÃO

A COIMBRA BUSINESS SCHOOL informa que oMódulo 1 “Introdução + Fundraising planeado”deverá ter início a 21 de Outubro, decorrendo às sextas-feiras, com o preço especial de 160 €.
Trata-se do módulo introdutório à pós-graduação “FUNDRAISING EM AÇÃO”, mas pode funcionar de forma isolada, sendo um instrumento básico para quem quer conhecer e usar os conceitos e ferramentas da angariação de fundos.
Revela os princípios fundamentais para conhecer e comunicar com os seus potenciais doadores e desenvolver um plano estratégico para a organização, podendo assim aplicar desde já uma campanha de fundraising eficaz.
Mais informações em http://bs.iscac.pt/posgraduacao/