Avançar para o conteúdo principal

O mito da fadiga dos doadores


Há dias encontrei uma reflexão sobre a fadiga dos doadores e lembrei-me de trazer este tema para aqui. Basicamente o assunto tem a ver com a frequência e a forma como fazemos a nossa angariação de fundos. A conjugação errada destes dois factores pode provocar nos doadores um certo desconforto - fadiga - que pode ser prejudicial para o nosso trabalho de fundraising.

Tudo isto pode acontecer, sobretudo, quando não há uma estratégia correcta e a procura de resultados segue uma política de "terra queimada", quer dizer, pedir com maior frequência, da mesma forma e às mesmas pessoas, na esperança de aumentar o número e o montante dos donativos.

Quando os números estão a baixar temos a tentação de atribuir a culpa a alguma força exterior, a algo que está fora de nosso controle. É mais fácil culpar alguém em vez de analisarmos o que está errado e tentar encontrarmos formas de corrigi-lo.

E é aqui que entra esta força externa a que chamamos: a fadiga dos doadores. Simplesmente os doadores estão cansados, desinteressados, afastados, não  se importam mais com a nossa causa, deixaram de ser compassivos e não querem mais mudar o mundo. Pronto, a culpa não é nossa!

Bem, o mais importante nisto tudo é que não existe esta há tal coisa da fadiga dos doadores. De facto, nunca conseguiremos provar que é esta a razão dos nossos problemas.

A fadiga dos doadores é um mito que usamos em fundraising para não assumirmos o fracasso ou a responsabilidade do nosso trabalho mal feito.

Simone Joyaux, ao escrever sobre este assunto "Donor Fatigue" an Excuse for Poor Fundraising Practices", diz que aquilo que chamamos de fadiga dos doadores é exactamente o contrário pois são os doadores que estão cansados das nossas más práticas de angariação de fundos.
Todos nós temos maus momentos ou passamos por alguma crise de vez em quando. Muitas vezes não conseguimos ver o que está errado. Às vezes, existem realmente forças que escapam ao nosso controle. Mas com maior frequência, os fracos resultados têm a ver com os erros que estamos a cometer.
Os bons fundraisers procuram descobrir o que está errado e depois tentam corrigir. Os maus, têm sempre a desculpa da fadiga dos doadores!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Angariação de donativos nas ONGD portuguesas

Olá Amigos,
há algum tempo que não publico nada neste blog, e por esta ausência, peço desculpa :)

Hoje gostaria de dar a conhecer um grupo interessantíssimo, o GBU (Grupo Bíblico Universitário), uma associação cristã de jovens universitários que procura conhecer, viver e comunicar a mensagem cristã nos estabelecimentos de Ensino Superior em Portugal. Se quiserem saber mais sobre esta organização, por favor, acompanhem o grupo GBU no Facebook.

Que tem isto a ver com o nosso blog?

A GBU é uma organização pequena mas já está a tomar o fundraising muito a sério. No último Seminário da Call to Action, tive a alegria de conhecer o Tiago Carmona, o dinamizador e responsável pela angariação de fundos desta associação. O Tiago é um estudioso e um fundraiser respeitável. Recentemente apresentou no ISCTE uma tese de mestrado notável, sobre um tema muito interessante: ANGARIAÇÃO DE DONATIVOS NAS ONGD PORTUGUESAS.

Nas palavras do Tiago "esta investigação procura analisar em que medida as ONG…

Vencedor de prémio do Euromilhões vai doar 50 milhões de euros

Um francês, que ganhou um prémio do Euromilhões em Fevereiro no valor de 72 milhões de euros, vai doar 50 milhões a associações solidárias do seu país. A doação do homem, que pediu o anonimato, à entidade que gere os jogos de sorte é uma das maiores alguma vez feita por vencedores daquele jogo.

Segundo a RTL, o francês validou o boletim em Haute-Garonne, sudoeste de França, e após ser conhecida a chave sorteada ainda levou alguns dias a reclamar o prémio de 72.149.579 euros. Três meses após o sorteio, o homem vai doar quase dois terços do prémio a associações de solidariedade de um dos nove países que participa no Euromilhões, incluindo Portugal.

A FDJ, entidade francesa que gere os jogos da sorte, indica que o vencedor é um homem com cerca de 50 anos, sem filhos, que tem uma “fibra solidária”. É um “generoso doador anónimo” e pretende seguir com “atenção o que irá acontecer com os fundos”, acrescentou, citada pela AFP.

Não é a primeira vez que um francês vencedor do Eurom…