Avançar para o conteúdo principal

Diz-me que donativos recebes…

Não fosse a Líbia arrastada pelas revoltas estudantis que forçaram a queda de regimes ditatoriais na Tunísia e no Egipto e uma das mais prestigiadas escolas de economia do mundo não estaria agora nas notícias.

A enorme controvérsia que está a abalar a London School of Economics (LSE) e que já deu origem à demissão do seu director, Sir Howard Davies, tem sido analisada a partir de dois extremos: um enorme escândalo porque não se aceita dinheiro “manchado de sangue” ou uma mera caça às bruxas pois venha uma universidade de prestígio atirar a primeira pedra por não ter recebido financiamento de fontes duvidosas.

Embrulhados na polémica estão alguns membros do governo britânico; um antigo director da LSE que é, por acaso, considerado como um dos maiores sociólogos do século XX, de seu nome Anthony Giddens; a tese de doutoramento do filho de Khadafi escrutinada devido a suspeitas de plágio (doutoramentos e plágios parecem estar na ordem do mês, depois do escândalo do ministro de Merkel que se demitiu por causa da mesma prevaricação) e avisos de um reputado e já falecido membro da LSE que, em 2009, enviou um memorando à própria escola evocando vários motivos pelos quais se manifestava contra os financiamentos propostos pela suposta ONG de Khadafi.

Estes são apenas alguns dos contornos de uma história que só viu a luz do dia porque Khadafi não cede ao poder e porque o seu filho, Saif al-Islams, cuja tese de doutoramento tinha como tema “O papel da sociedade civil na democratização das instituições globais da governação: do ‘soft power’ ao processo da decisão colectiva” o secunda na sua decisão e parece ter esquecido as duras críticas que outrora teceu ao funcionamento dos governos não democráticos.

Podem os interesses económicos, de alguma forma, estar acima da integridade académica? Porque o assunto está relacionado com questões directamente ligadas à ética e à transparência, o VER resume, neste artigo, as intricadas relações que estão subjacentes a este(s) episódio(s).

O sociólogo, o coronel, o filho deste e os donativos às universidades
O homem que ajudou a popularizar o conceito da “terceira via” e que trabalhou como assessor do antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair escrevia, num editorial do jornal The Guardian, em 2007, o seguinte: “será que o verdadeiro progresso só será possível quando Khadafi deixar o palco? Eu tendo a pensar o oposto. Se ele está a ser sincero quando afirma desejar a mudança, tal como eu acredito que está, ele poderá ser uma personagem principal dessa mudança (…). O futuro que idealizo para a Líbia, nas duas ou três próximas décadas, será aquele em que esta se transforme numa Noruega do Norte de África: próspera, igualitária e progressista”.

Bem, na verdade, até os melhores se enganam, apesar de coleccionarem títulos honoríficos, obras mundialmente aclamadas e de serem professores prestigiados em escolas como Cambridge ou a London School of Economics (onde foi director entre 1997 e 2003). Mas Anthony Giddens, apesar de se ter encontrado com Khadafi e de ter elogiado o famoso “Green Book”, escrito pelo coronel deve, neste preciso momento, estar a morder a língua por ter acreditado que “a teoria económica defendida por Khadafi reside no conceito de que todos devem colher os mesmos frutos do seu trabalho” ou que o seu impulso reformista era “autêntico e com um enorme poder motivador subjacente”.

Enquanto considerado como um dos mais brilhantes sociólogos da actualidade, Giddens deveria ter feito melhor o seu trabalho de casa. Não é preciso ser muito literato para digitar o endereço electrónico da Freedom House, por exemplo, a reconhecida ONG norte-americana que há mais de 70 anos promove os direitos humanos e a democracia, para se inteirar de alguns factos sobre a Líbia: em termos de ranking, a pátria de Khadafi está catalogada como a “menos livre” na categoria que avalia as liberdades civis e os direitos humanos e, oficialmente, conta com uma taxa de 21% de desemprego. Mas até os grandes cérebros se enganam… apesar de, numa coisa, Giddens parecer ter razão: num comentário intitulado “My chat with the colonel”, em Março de 2007, escrevia: “o que acontecer ali [na Líbia] terá um impacto certo no norte de África e em todo o Médio Oriente”. E não só, com as repercussões que a sua “luta contra mais uma tentativa de colonialismo da Líbia”, como afirmou ontem o próprio coronel, está a ter já não só na Europa, como em todo o mundo.

Mas mudemos agora de cérebro e de personagem e atentemos no filho de Muammar Khadafi, Saif, que foi aceite como doutorando na LSE, com o objectivo de estudar o papel da sociedade civil na democratização das instituições globais. Na altura, já Saif era o presidente da Fundação Khadafi para a Caridade e o Desenvolvimento. Na verdade, na altura não existiam motivos alguns para o filho de Khadafi não ser aceite como estudante numa das mais prestigiadas escolas económicas do mundo. É facto conhecido que o jovem Saif se mostrava aparentemente interessado em criar um futuro mais liberal para o seu país e que condenava, de acordo com uma reportagem transmitida pela BBC, os governos não democráticos, apelidando-os de “autoritários, abusivos e não representativos”.

E talvez se não fosse o próprio a aparecer recentemente na televisão líbia a jurar “lutar pela Líbia até à última bala”, não existiria matéria sobre a qual se escrever. A verdade é que, apesar de a LSE ter sido alertada que poderiam existir partes plagiadas na sua tese de doutoramento, esta não encontrou, na altura, motivos para suspeições e recebeu, porque as universidades também estão em crise, com agrado, um donativo no valor de 2,4 milhões de dólares, da dita Fundação, logo após a conclusão da tese de doutoramento do filho de Khadafi. Este dinheiro serviria para financiar o departamento de estudos sobre o Norte de África, da LSE, e também para financiar bolsas de estudos para estudantes líbios.

Até aqui, nada de muito novo. São inúmeras as universidades que recebem fundos, principalmente por parte de realezas sauditas, para financiar centros de estudos ou pesquisas. De acordo com o jornal London Evening Standard, “nos últimos 15 anos, oito instituições académicas britânicas de prestígio, incluindo Oxford, Cambridge e a UCL já receberam milhões de várias fontes do Golfo, sendo que a China já desembolsou meio milhão de libras para ajudar a financiar Institutos ‘Confúcios’ em 10 universidades britânicas”. Este procedimento é igualmente comum, por exemplo, nos Estados Unidos. Só como exemplo, a Universidade do Missouri ganhou uma cadeira nova em Economia, financiada pelo ex-patrão da Enron, Ken Lay, antes obviamente de este vir a ser acusado e preso por um dos maiores escândalos empresariais de sempre. E, sem ninguém a desejar leccionar a dita cadeira, corre há muito uma anedota nos corredores da universidade: “esta não é como a cadeira do Osama bin Laden”.
Como é do conhecimento público, a família de Bin Laden doou somas substanciais, ao longo da década de 90, tanto à universidade de Harvard como à de Tuffs.

E assim se mancha (ou não) um dos pré-requisitos para qualquer processo académico: a transparência.

ler +

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

FUNDRAISING EM AÇÃO

A COIMBRA BUSINESS SCHOOL informa que oMódulo 1 “Introdução + Fundraising planeado”deverá ter início a 21 de Outubro, decorrendo às sextas-feiras, com o preço especial de 160 €.
Trata-se do módulo introdutório à pós-graduação “FUNDRAISING EM AÇÃO”, mas pode funcionar de forma isolada, sendo um instrumento básico para quem quer conhecer e usar os conceitos e ferramentas da angariação de fundos.
Revela os princípios fundamentais para conhecer e comunicar com os seus potenciais doadores e desenvolver um plano estratégico para a organização, podendo assim aplicar desde já uma campanha de fundraising eficaz.
Mais informações em http://bs.iscac.pt/posgraduacao/