Avançar para o conteúdo principal

Declaring War on Building Bridges, Helping Hands and Other Lousy Metaphors for Nonprofits

Metaphors can be very powerful tools to make complicated or foreign ideas feel simple and familiar to your donors, volunteers, partners, and other supporters. But they can also devolve into worn-out clichés that become too familiar and therefore lose much of their oomph.

Here are five of the Decrepit Dozen . . .

Building Bridges. This is probably the most common metaphor used to explain how nonprofits make connections between people or ideas. But it tells us nothing about the benefits of those connections or why we really need to make them. 


Helping Hands. "Help" is just too generic. And much of the help that nonprofits provide isn't manual labor or physically in person, which "hands" implies. 


Changing the World/Lives. Change isn't always for the better. Every one of us could argue that we change someone else's life every day. When a butterfly flaps its wings . . . 


War on (Fill in the Blank). I don't think the military metaphors work all that well in the social service fields that most often use them. And with lagging public support for the real wars our nation is fighting, I don't think this metaphor conjures up the sense of common purpose and focus it once might have. 


Making a Difference. If every nonprofit on the block can use the same phrase, that's a sure sign that it won't help you stand out in your marketing and fundraising. Every nonprofit is trying to make a difference. While the idea behind it is still relevant, this particular phrase isn't.


While these metaphors may still work at some level because they are very familiar, I believe they have been used so many times and in so many different ways in the nonprofit world that they are effectively meaningless now. 
 
If you are using them, it's time to get more creative and search for phrases that are both clear and truly meaningful for your supporters today. I'll provide a really nice head start on that during tomorrow's webinar.
Interested in Learning More?


Earlier today, I posted an interview with Susan Strong, executive director of the Metaphor Project, on my blog, called Are You Speaking American?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…