Avançar para o conteúdo principal

Bolsa Social

Não podia deixar de colocar alguma informação sobre esta grande notícia - uma nova forma de angariar dinheiro. Muito inovadora!

Depois do Brasil, Portugal é o segundo destino da Bolsa de Valores Sociais. A ideia foi criada por Celso Grecco e permite comprar acções de organizações de cariz social, acompanhando depois a aplicação desse investimento.


A iniciativa foi apresentada ontem (02.11.2009) no Museu da Electricidade e conta com os apoios da Euronext Lisbon, Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação EDP. O objectivo é facilitar o financiamento das instituições de solidariedade, ao mesmo tempo que se promove a profissionalização da gestão e a transparência. "Esta é uma plataforma de convergência entre quem dá e quem recebe", afirmou Isabel Mota, administradora da Gulbenkian. "Em Portugal há vontade para ajudar, mas precisamos de novas soluções." A bolsa procurará instituições e projectos que ataquem as causas dos problemas sociais e não os efeitos, recusando associações que recorram ao assistencialismo.

A partir da meia-noite de hoje, no site http://www.bvs.org.pt,/ já pode escolher investir um mínimo de dez euros em quatro organizações na área da luta contra a pobreza e exclusão social. Os projectos são muito diferentes: desde a luta contra a toxicodependência até ao apoio à Associação Portuguesa de Portadores de Trissomia 21. O total do valor investido chegará sempre ao projecto escolhido. Com o lema "As boas acções estão sempre em alta", a Bolsa de Valores Sociais estará aberta a candidaturas de outras instituições, desde que os projectos correspondam aos critérios de selecção.

A primeira Bolsa de Valores Sociais foi criada em 2003, em São Paulo. Através dela já passaram quatro milhões de euros, que financiaram cerca de 100 projectos.

Celso Grecco é o mentor da Bolsa de Valores Sociais portuguesa. Em 2003 fundou a primeira do mundo – em São Paulo.

Como é que esta bolsa replica o funcionamento dos mercados financeiros?
Uma bolsa junta uma empresa que quer ter ganhos e se compromete com objectivos e transparência, com um investidor interessado. Aqui aplica-se o mesmo princípio, mas em vez de lucro financeiro há lucro social.

Como são seleccionadas as organizações presentes na bolsa?
Têm de ser projectos inovadores e não assistencialistas. Devem dar uma resposta concreta e interromper um ciclo. Actuar nas causas e não nos efeitos.

Como está a correr a experiência em São Paulo?
A Bolsa de Valores Sociais de São Paulo já firmou um ambiente de credibilização. Mas a portuguesa vai ser ainda melhor: mais abrangente e com tecnologia mais avançada.

Qual a importância deste cruzamento de bolsa com solidariedade social?
Costumo dizer que “não se traçam novas rotas em cima de velhos mapas”. Aqui não se trata de uma nova rota: é um novo mapa no tecido social.

No jornal i

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…