Avançar para o conteúdo principal

Conferência Fundraising - Ética e transparência

Segunda-feira, dia 8 de Junho, decorreu no Instituto Alemão em Lisboa o terceiro e último encontro no âmbito do Ciclo de Conferências Internacionais “Organizações da Sociedade Civil - Transparência e Responsabilidade”, desta vez dedicado ao tema da angariação de fundos ou fundraising.

A razão deste ciclo de conferências
Nas organizações da sociedade civil, sobretudo a nível internacional, têm vindo a ser cada vez mais debatidos temas como a transparência, accountability ou responsabilidade, angariação de fundos e boa governança. Nos Estados Unidos da América estão já desenvolvidos bastantes recursos e instrumentos nessas áreas e na Europa registam-se também experiências interessantes promovidas sobretudo por ONG. Presentemente, a Comissão Europeia promoveu um estudo sobre iniciativas de regulação governamental e de auto-regulação das organizações sem fins lucrativos nos países da União Europeia, já apresentado na primeira Conferência. Neste contexto, os promotores julgaram oportuno divulgar e aprofundar os conhecimentos neste domínio em Portugal, no sentido de aumentar a capacidade para implementar as melhores práticas, no melhor interesse das organizações e seus parceiros, tendo em vista o reforço da confiança pública nas organizações da sociedade civil, em particular num contexto geral de recessão económica. Para isso, organizaram este ciclo de Conferências, de participação gratuita, em dias de semana ao final da tarde, por forma a poderem ser mais acessíveis em particular a quem se dedica voluntariamente às organizações da sociedade civil.

Os temas e os programas das Conferências1ª Conferência (31 Março): BOA GOVERNANÇA E REGULAÇÃO
2ª Conferência (5 de Maio): ÉTICA, TRANSPARÊNCIA E RESPONSABILIDADE
3ª Conferência (8 de Junho): FUNDRAISING – ÉTICA E TRANSPARÊNCIA

Os promotores desta iniciativa são a Fundação Friedrich Ebert e a Humaneasy Consulting.

Para Paula Lopes da Silva, responsável da Humaneasy Consulting e activista em várias ONGs “Hoje em dia com a redução do apoio financeiro proveniente de fontes públicas, torna-se necessário diversificar as fontes de financiamento para as actividades e projectos das organizações da sociedade civil. A angariação de fundos tem sido feita sobretudo de forma amadora, mas a actividade profissional de fundraising assumida como tal é já uma realidade em muitos países da Europa e está a emergir em Portugal. Torna-se portanto necessário que – desde já – se desenvolva da melhor forma, de acordo com princípios de ética e transparência assumidos quer pelos angariadores quer pelas organizações que os contratem, para que seja um factor gerador de confiança nas organizações da sociedade civil.”

A Fundação Friedrich Ebert, criada na Alemanha em 1925 e representada em Portugal desde 1976, apoiou no período que se seguiu ao 25 de Abril a criação das instituições do Portugal democrático e acompanhou nos anos 80 a adesão do país às Comunidades Europeias. Com a consolidação da democracia e o avanço do desenvolvimento económico e social no seio da Europa, a actividade da Fundação em Portugal passou do apoio directo aos actores políticos e sociais para a organização de um Diálogo Europeu entre interlocutores portugueses, alemães e de outros países. Desde os finais dos anos 80 que a Fundação organiza iniciativas na forma de debates com responsáveis do sistema político, membros da comunidade científica e representantes da sociedade civil sobre questões importantes para a construção europeia.

+ info www.humaneasy.com/conf
Reinhard Naumann: 213 573 375, info@feslisbon.org /
Paula Silva: 931 634 670, eventos@humaneasy.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…