Avançar para o conteúdo principal

Mecenas lançam rede contra a solidão no Natal

O que é bom presente para um idoso? Receber uma visita. Um grupo de pessoas quer cumprir esse desejo. Vão dar uma manta e ouvem uma história

Tinha cerca de 40 anos e por altura do Carnaval foi convidada para um baile de máscaras. Mandou vir a costureira que fez o fato dela e do marido. Ele ainda protestou, mas acabou por anuir. Quando o casal entrou no baile foi o foco das atenções, ela de totós no cabelo escuro e vestidinho e ele de bibe da escola, lado a lado com faustosos reis e Marias Antonietas. "Tivemos a lata de aparecer assim!" Ausenda Sancho dá uma gargalhada, divertida enquanto olha para a fotografia, a preto e branco, numa moldura de prata, exposta na sala.

Ausenda Sancho tem 86 anos e uma vida imensa de histórias para contar. Adora conversar e salta de uma história para outra, com algumas décadas de diferença, para regressar à primeira que não havia concluído. Esta é uma característica de todos os que têm centenas de experiências para partilhar, fruto dos anos que viveram. Ausenda não é a única: em Portugal 17,4 por cento da população tem mais de 65 anos, quase dois milhões de idosos. Destes, muitos estão sozinhos em casa, sem visitas, sem ninguém com quem conversar e que de certeza têm muitas histórias para contar. Foi a pensar nelas que Rita Melo, psicóloga, com uma especialidade em gerontologia, teve uma ideia para este Natal: "Gerar uma corrente mas centrada nas pessoas com o Natal mais frio, aquelas que não têm a família por perto, os idosos".

Uma ideia que cresce
Rita não foi a única a ter uma ideia para fazer a diferença neste Natal. São muitos os chamados mecenas invisíveis, pessoas que ajudam os outros sobretudo nesta época e dentro do contexto da crise económica. Ana Serras, professora reformada, lembra a origem grega da palavra crise, que significa crescimento. "É preciso crescer, temos que ver para onde." Ana procura contribuir para melhorar a vida dos outros através de pequenos gestos, de palavras amigas que possam fazer a diferença. Maria das Neves, costureira reformada, decidiu fazer um cabaz de Natal, com produtos que recolheu pelas lojas da aldeia onde vive, agora vai leiloá-lo entre a família e os amigos, a receita reverterá a favor do centro de dia da terra. Há escolas que propõem aos alunos ajudar os mais carenciados, seja através de géneros alimentícios, produtos de higiene, brinquedos, roupas, serviço de voluntariado ou mesmo dinheiro.

Na cabeça de Rita Melo, a ideia de fazer algo de diferente neste Natal começou a tomar forma. Para os mais idosos, o que é que seria um bom presente, perguntou-se. Receber uma visita, alguém com quem falar. Essa visita poderia oferecer uma manta e em troca ouvir uma história. Rita Melo considera que cada idoso é uma biblioteca e que quando contam histórias se reinventam, que a sua expressão muda, ilumina-se. Portanto, continua, quem vai receber um enorme presente é a visita que ouvir o que o idoso tiver para contar. "Uma história é uma coisa preciosa", é a sua convicção.

Público, Bárbara Wong

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…