Avançar para o conteúdo principal

Ajudar nunca foi tão fácil

Longe vão os tempos em que para ajudar tínhamos que reservar algum do nosso tempo e dinheiro. As instituições de solidariedade estão a criar mecanismos fáceis de ajuda.
Atitudes que apenas temos que associar a acções praticadas no nosso quotidiano. As campanhas usam expressões como não custa nada, é fácil e é simples. E é verdade.

Para ajudar, hoje em dia, é só querer. «A ideia foi da Sociedade Ponto Verde (SPV) e nós aceitámos logo», diz Lynne Archibald, presidente e fundadora da associação Laço. A SPV é uma instituição privada, sem fins lucrativos, que pretende sensibilizar e educar os portugueses a nível ambiental.

A Laço é amaior associação de voluntariado na luta contra o cancro da mama. O processo é simples: colocar as embalagens (metal, plástico, papel/cartão e vidro) nos devidos ecopontos. Cada tonelada reciclada vale 1,5 euros para a prevenção do cancro da mama. O objectivo: adquirir duas unidades de rastreio móvel.

2 CAUSAS POR 1 CAUSA
«Cerca de 90 mil mulheres escapam anualmente ao rastreio. Se atingirmos os nossos objectivos estaremos a fazer com que mais 20 mil mulheres passem a fazê-lo», explica Luís Martins, director-geral da SPV. Estas duas entidades associaram-se 22 sistemas municipais de todo o país para a campanha 2 causas por 1 causa.

«Quando vi o slogan percebi que juntos poderíamos ter mais força. As três entidades têm missões difíceis. Não queremos só ‘vender’ conceitos, queremos mudar comportamentos», diz a fundadora da associação Laço. A junção da reciclagem à luta pelo rastreio precoce do cancro da mama pareceu-lhes oportuna, pois «as mulheres são as mais preocupadas com as questões ambientais e as directamente visadas nestes casos», defende o director geral da SPV.

Segundo dados fornecidos pela Laço, quatro meses após o inicio desta campanha,já tinham sido conseguidas 115 das 260 mil toneladas que necessitam para cumprir mais esta missão.

ACÇÕES EM CADEIA
A Assistência Médica Internacional (AMI) não pára de criar mecanismos de ajuda simples. Em acções como o pagamento anual dos impostos ou a reciclagem dos óleos alimentares utilizados, podemos ajudar esta organização privada, apolítica e sem fins lucrativos na realização das suas inúmeras intervenções em situações de crise e emergência.

«É facílimo para qualquer pessoa, não tem inconvenientes e, ainda por cima, é algo que as pessoas têm que fazer», explica Manuel Lucas, director financeiro da organização, em Portugal. Escrever o número 502 744 910 na declaração de impostos, ajuda a AMI com 0,5 por cento do impostojá liquidado. «A ideia partiu do Governo, em 2002, e serve para ajudar os centros porta amiga. O problema é que pouca gente sabe desta hipótese», diz Manuel Lucas.

Mais recentemente, e focada nas questões ambientais, a AMI desenvolveu a iniciativa Óleos alimentares usados. Entrou em acordo com restaurantes de todo o país (listagem no sítio oficial), onde podem ser depositados os óleos alimentares domésticos utilizados e cujos lucros da sua reciclagem vão reverter a favor da organização e do ambiente.

«Os óleos são das coisas mais difíceis de tratar nas ETAR, por isso juntamo-nos e desenvolvemos uma acção de benefício mútuo», explica Manuel Lucas. «Estamos à espera que esta iniciativa seja um sucesso», conclui.

JÁ É BEM DIVERSO O LEQUE DE OPÇÕES
Até nas multas podemos ser solidários

Entidades como a SPV, a Laço ou a AMI estão sempre a inovar na criação de parcerias e formas simples para que possam ser ajudadas. Existem possibilidades mais escondidas. É o caso das multas rodoviárias, em que uma percentagem da coima pode ser doada a uma instituição à escolha. O destino dos montantes cobrados está legalmente estabelecido no Decreto-Lei nº 369/99, de 18 de Setembro, conforme informação que a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária nos fez chegar através do seu Núcleo de Apoio à Gestão e Operação.

Ao utilizarmos um programa de conversação instantânea podemos também estar a ajudar. A Microsoft juntou-se à ninemillion.org, uma entidade que se dedica a apoiar jovens refugiados. Num comunicado enviado pela sede da Microsoft em Portugal, foi explicado ao SEXTA que «todos os utilizadores das novas versões do Windows Live Messenger podem ajudar». É simples. Implica um registo inicial no sítio oficial e cada conversação iniciada ou correio electrónico enviado vai valer um determinado valor que a Microsoft doará à instituição de solidariedade por nós escolhida.

SEXTA, Inês Caridade
geral@sexta.pt

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…