Avançar para o conteúdo principal

Aumenta a cultura do dom



Nem pertence só às sociedades antigas nem está em vias de extinção: a crescente cultura do dom – doação, obséquio, entrega – mostra um dos aspectos positivos da globalização, sublinha o chanceler da Pontifícia Academia das Ciências Sociais, o bispo Marcelo Sánchez Sorondo.

O organismo pontifício celebrou nestes quatro últimos dias a sua 14ª sessão plenária sobre o tema «Buscar o bem comum: como solidariedade e subsidiaridade podem trabalhar juntas». Na presença do prelado, vários especialistas, participantes na convocação, apresentaram nesta terça-feira as linhas de suas jornadas de trabalho na Sala de Imprensa da Santa Sé.

Coordenador da sessão plenária, o professor Pierpaolo Donati – da Universidade italiana de Bolonha – explicou a importância da actuação da sociedade civil na criação de bens comuns, e exemplificou com o caso das doações, «em aumento no mundo», «tanto em dinheiro como em bens».

Pesquisador desse fenómeno como sociólogo, o professor Jacques Godbout – da Universidade de Québec (Canadá) – confirmou: «Crê-se que o dom já não existe nesta sociedade moderna, que só existe o mercado e no Estado, mas quando mais se estuda o dom na sociedade actual, mais se constata sua importância»: «é um modo fundamental de fazer circular as coisas entre nós».

Não se trata de menosprezar o papel do mercado ou do Estado, mas o dom «se mantém como uma forma fundamental da circulação das coisas ou bens porque, por sua vez, ele se transmite com uma mensagem», e por isso também é essencial para as relações entre as pessoas, aponta o professor Godbout.

Da mesma forma que é errado dizer que o dom já não existe, é impreciso afirmar que se dá «apenas em forma de filantropia», um aspecto importante, mas nele «o dom está ao serviço muitas vezes das demais formas de circulação na sociedade», declara o especialista canadense.

É o caso de quem doa dinheiro para que outros possam se integrar no mercado ou em seu papel no Estado. É importante, «mas instrumental às outras formas de circulação das coisas», explica o professor Godbout.

As formas de dom não-instrumentais são aquelas, por exemplo, nas relações de família, nos transplantes de órgãos ou na doação de sangue. Estamos diante do dom como «princípio em si – indica –, não orientado a integrar os outros sectores».

Na sessão plenária se estudaram sectores novos onde o dom também é considerado unicamente em si mesmo, como intercâmbios de bens que se produzem na Internet. E seguindo o sociólogo, constata-se que «muitas pessoas preferem passar pelo dom mais que pelo mercado».

Em seu campo de estudo e no marco da sessão plenária, o professor Godbout se fixa no aspecto relacional do dom, observando não só o doador, mas o receptor.

«O dom pode ser positivo ou negativo para o destinatário, pelo que muitas vezes é preferível optar pelo mercado ou o Estado», considera.

A Pontifícia Academia orientou estas reflexões a evidenciar novas potencialidades da sociedade e seu papel no desenvolvimento dos princípios de subsidiaridade e solidariedade.

Seu chanceler, Dom Sánchez Sorondo, assinalou o interesse que suscitam os casos citados e também fenómenos como o «micro-crédito» – em difusão actual em países desenvolvidos – ou actividades transversais em um mundo global, como a de «Médico sem Fronteira».

Como explica o prelado à Zenit, a chave nesta sessão plenária foi «procurar ler no novo fenómeno da globalização os elementos positivos que há, a realidade que existe, a generosidade que existe, o dom que existe, um modo social de solidariedade que transcende o limite das nações e da economia, e ao contrário encontra uma realidade muito mais humana, tanto na ajuda como na comunicação».

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…