Avançar para o conteúdo principal

Activistas digitais generosos

O que têm em comum uma mãe blogger, um reconhecido actor, um ex sem-abrigo, um jornalista vencedor de dois prémios Pulitzer e a líder de inovação social do Twitter? Para além da generosidade que, cada vez mais, está perto de ganhar um campo de investigação científica só para si, encontraram, no mundo digital e através dele, uma forma de sensibilizar o mundo para as suas causas. E para agirem em sua prol

A generosidade, enquanto campo de investigação científica, tem vindo a crescer significativamente ao longo dos últimos anos. E, apesar dos estudos actuais sobre esta característica humana serem provenientes de disciplinas variadas e, muitas vezes, não inter-relacionadas entre si, focando temas igualmente diversos como a filantropia, o voluntariado e o altruísmo, existe uma tendência cada vez mais generalizada para se tentar criar um campo de pesquisa específico para o estudo desta virtude humana em todas as suas formas.

Um dos líderes desta tendência é a Universidade de Notre Dame que inaugurou, em 2009, uma iniciativa denominada A Ciência da Generosidade, composta por três componentes por excelência. Em primeiro lugar, um concurso de financiamento internacional com vista a estimular a pesquisa científica sobre o tema. Em segundo, um projecto de pesquisa conduzido por uma equipa da própria Universidade de Notre Dame, que tem como objectivo o estudo da generosidade em contextos naturalistas para se compreender melhor os mecanismos sociais e causais que geram ou colocam obstáculos à mesma, elegendo não só as culturas cientificas e académicas, mas também partilhando recursos e pesquisas com líderes políticos, religiosos, cívicos e empresariais.  Para tal, a University of Notre Dame tem estado a estabelecer parcerias com organizações não-governamentais e sem fins lucrativos, com fundações filantrópicas e também com o público em geral. Por último, a iniciativa conta igualmente com um esforço de comunicação que visa estimular uma reflexão geral sobre o valor que a sociedade actual confere à generosidade, aos donativos financeiros voluntários, ao altruísmo, às ajudas informais, entre outras práticas relacionadas.

Um dos estudos que está a ser desenvolvido pela Science of Generosity está relacionado coma forma como as redes sociais estão a influenciar a evolução da cooperação, no sentido em que estes novos meios ajudam a um “contágio” de comportamentos entre os seus utilizadores. Por outro lado, existem especialistas, espalhados um pouco por todo o mundo que, exactamente através das redes sociais, conseguiram inovar na utilização deste popular meio para fazer o seu “bem maior”. A revista Fast Company que anunciou, na passada semana, uma nova rubrica, em actualização, para celebrar a generosidade e que contará com listas mensais de homenageados que falarão da sua própria filosofia da generosidade, levantou já o véu no que respeita a “especialistas em fazer o bem” que utilizam os media sociais para irem mais longe na sua missão de ajudar os outros.

O VER foi pesquisar os motivos que levaram a revista norte-americana a eleger estas 10 personalidades e apresenta o trabalho de alguns, cujo trabalho merece, realmente, ser (re)conhecido.

Nicholas Kristof, colunista do The New York Times e autor do livro e posterior movimento HALF THE SKY


Edward Norton, actor e co-fundador do CROWDRISE


Mark Horvath, INVISIBLE PEOPLE TV


Claire Diaz-Ortiz, líder de Inovação Social, Twitter


por Helena Oliveira no Portal VER

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…