Avançar para o conteúdo principal

What do donors really want to do?

One of the most important principles of fundraising is this:  What people say about their charity has little to do with what they do.

Once you believe that, you'll stop taking terrible advice.

But don't just take my word for it.  Here's evidence from Nick Aldridge's blog:  Does actual giving behaviour match expressed giving preferences?

This interesting study compares what some UK survey respondents said they'd give £1 to with what people actually gave £1 to on eBay, when asked to donate during the checkout process.

"Help small UK charities stay open and help local people" did well in the survey but poorly in real giving.
"Give a child in Kosovo a pair of shoes and warm gloves that they can wear to school" did poorly in the survey but pretty well in real giving.

Conclusion?

... potential donors may turn out be more responsive to simple, emotive imagery than they claim or indeed believe. Conversely, donors may overestimate their interest in discriminating between causes on rational grounds. In shaping fundraising campaigns or messages, fundraisers should not imagine that potential givers will make a rational judgment in response.

The important thing here is this:  People's opinions and their actions do not line up.  Don't expect them to.  And don't build your brand or fundraising platform based on what people tell you in surveys or focus groups.

Telling someone "I'd give to that" is a fundamentally different action from actually giving to it.  When you just say you'd give, you have no skin in the game.  It's easy to say yes because it's politically correct or because you think saying yes will make you look good.  That's why complex and intellectual offers do well when people are asked about them.

But when it actually comes to shelling out money, a different dynamic is in play.  You respond to what actually moves you, not what you think should move you -- or what you think others think should move you. 

That's why the offers that work best are super-simple, emotional, and often a bit short-sighted.  Providing a meal for a hungry child will always beat creating systems that keep the child from going hungry.

You can spend your whole fundraising career trying to change this fundamental quirk of the human mind -- and you'll have a miserably unsuccessful career.  Or you can work with people as they really are -- and raise more money to actually get stuff done.

+ info

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…