Avançar para o conteúdo principal

DONOR POWER PLEDGE



 For Fundraising Professionals Who Want
to do Their job Right in the New Age of fundraising

I will treat donors with respect

My donors are living, breathing, active human beings who are doing more than their share to make the world a better place. They are not ATMs that dispense cash with the proper stimulus.

They are not ignorant or in any sense less involved than I am.

I have no right -- or reason -- to “improve” or “educate” my donors. They are wonderful just as they are.

My fundraising is about their dreams, their aspirations, their power to change the world. Not mine.

Their donations and involvement form a deep and meaningful connection to our shared cause. I will never forget that or take it lightly.

I will give power to my donors

Every donor has the right to fund the projects she or he wants to fund.

I reject the tired old limitation of raising “unrestricted” funds only.

I will let donors -- and not just the multi-millionaires among them -- influence our programs and mission. They’re making it possible; they have a voice.

I will give donors control over the way we communicate with them -- quantity, quality, and style.

I will serve my donors

Donors give to accomplish things. I will work to inform my donors about the specific good their giving has made possible.

As long as we share a mission, I will promptly and completely comply with their wishes in all matters.

I will work to increase the relevancy of our communication with each donor.

I will receipt gifts accurately and quickly.

POWER TO THE DONOR!

I agree with these priniciples. I want to march into the future of fundraising by practicing Donor Power.

I pledge to do everything in my power to make these things a reality.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…