Avançar para o conteúdo principal

Em cheio na cura para o cancro

Jogadores Portugueses aceitaram desafio “Em cheio na cura para o cancro” e mostraram a sua solidariedade.
Os vídeos desse desafio estarão disponíveis no site do projecto, em www.futebolcontraocancro.com

Nas vésperas do Euro 2008, os jogadores da Selecção Nacional de Futebol participaram numa actividade diferente. O objectivo não era marcar um golo, mas sim acertar na trave da baliza. Com esta actividade foi feito um donativo para a Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) no valor de 9 300 euros que foram angariados para investigação em oncologia. Agora, a Selecção Nacional “passa a bola” à população em geral para todos contribuam para esta causa.

“Em Cheio na Cura para o Cancro” foi a primeira iniciativa da recém apresentada Campanha “Futebol Contra o Cancro” que junta Paulo Sousa, ex-jogador e internacional português, à LPCC na sensibilização da população para esta doença. A Selecção Nacional ofereceu ainda à LPCC uma Camisola autografada por todos os jogadores que será leiloada no site www.futebolcontraocancro.com.

O objectivo da campanha é sensibilizar o mundo do Futebol e a população em geral para esta doença e, ao mesmo tempo, fazer uma recolha de fundos que serão utilizados em investigação na área oncológica. Os vídeos do desempenho dos jogadores da Selecção Nacional na iniciativa “Em Cheio na Cura para o Cancro” estarão disponíveis no site www.futebolcontraocancro.com, assim como toda a informação sobre esta e outras acções do projecto.

O Futebol é um desporto de massas, que envolve e motiva as pessoas. Queremos usar esse entusiasmo e garra para sensibilizar a população portuguesa para a necessidade de enfrentarmos o cancro de uma forma positiva, e para juntos, unirmos esforços para que a cura seja possível. Acima de tudo, é preciso acreditar, diz Paulo Sousa, a cara do projecto.

A LPCC tem desenvolvido um conjunto de iniciativas para tentar mudar a percepção da população portuguesa em relação ao cancro, palavra ainda conotada de forma negativa. Queremos que as pessoas saibam que têm uma palavra activa na luta contra a doença, ao adoptar estilos de vida saudáveis e evitar comportamentos de risco. Para LPCC é uma honra contar com o apoio do Paulo Sousa, um contributo precioso para a nossa causa, explica Vitor Veloso, presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Mais do que em qualquer outra doença, a palavra cancro continua a ser sinónimo de receio e por isso, o primeiro contacto com a doença é sempre um choque para a pessoa com cancro, os seus familiares e amigos. Mas hoje em dia o cancro pode ter cura, principalmente quando diagnosticado de forma precoce.

Em Portugal, surgem cerca de 45 a 50 mil novos casos de cancro. Contudo, o avanço nos progressos da investigação nas terapêuticas e medicamentos, e das técnicas cada vez mais apuradas de rastreio têm contribuído para a existência de mais casos de sucesso, sendo que existem cada vez mais as pessoas que ultrapassam o cancro e retomam as suas vidas normais.

A Liga Portuguesa Contra o Cancro foi fundada em 1941 que tem como objectivos divulgar informação sobre o Cancro e promover a educação para a saúde, nomeadamente quanto à sua prevenção assim como contribuir para resolver a situação dos doentes oncológicos em todas as fases da história natural da doença.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…