Avançar para o conteúdo principal

Construir a confiança



Há qualquer coisa que não está bem. Segundo o Jornal de Notícias,  "apenas dois em cada dez euros em vendas de produtos e cartões de Natal com a marca Unicef em Portugal destinam-se à causa humanitária"

Em causa está a decisão da organização das Nações Unidas de entregar a comercialização destes bens à gráfica espanhola Forletter a troco de "royaltys". A Unicef fica com 18 a 20% do total das vendas.

Celebrado em março do ano passado, o acordo abrange a venda realizada em balcões CTT, lojas FNAC, telemarketing ou no website produtosunicef.pt, onde no ato da compra não há qualquer informação sobre a percentagem que vai de facto para a causa humanitária. O modelo de negócio é apenas visível no separador "Política de privacidade", onde também não é referida a percentagem.
Fonte: JN

Estamos perante um debate antigo e um dilema, ao mesmo tempo. Como podemos encontrar um equilíbrio entre aquilo que deve ser gasto nos projectos e aquilo que deve ser investido na estrutura da organização para que esta possa continuar a ter um bom desempenho?  Que dizem as boas práticas? Qual o montante ou a percentagem do valor angariado que pode ser destinado aos gastos administrativos e de fundraising sem prejudicar a missão da organização nem defraudar a confiança dos doadores? Menos de 30% é aceitável? Entre 15 e 20% é viável? Qual é o valor desejável?

Aceitam-se contributos!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

FUNDRAISING EM AÇÃO

A COIMBRA BUSINESS SCHOOL informa que oMódulo 1 “Introdução + Fundraising planeado”deverá ter início a 21 de Outubro, decorrendo às sextas-feiras, com o preço especial de 160 €.
Trata-se do módulo introdutório à pós-graduação “FUNDRAISING EM AÇÃO”, mas pode funcionar de forma isolada, sendo um instrumento básico para quem quer conhecer e usar os conceitos e ferramentas da angariação de fundos.
Revela os princípios fundamentais para conhecer e comunicar com os seus potenciais doadores e desenvolver um plano estratégico para a organização, podendo assim aplicar desde já uma campanha de fundraising eficaz.
Mais informações em http://bs.iscac.pt/posgraduacao/