Avançar para o conteúdo principal

Dados interessantes

Uma vez que ainda não existem muitos dados sobre a realidade portuguesa, no que à prática do fundraising diz respeito, vamos ter que nos contentar com os estudos produzidos a nível internacional. 
Aqui está alguma informação mais recente. Em primeiro lugar, o habitual estudo da Kivi Leroux Miller sobre as tendências na área da comunicação: ANNUAL NONPROFIT COMMUNICATIONS TRENDS REPORT
Alguns dados são muito interessantes, mas retenho apenas estes números: 27% dos inquiridos afirmam que enviam apenas 4 vezes por ano campanhas DM, enquanto 33% não enviam campanhas impressas. Quanto aos apelos através do e-mail, 25%  afirmam enviar apenas 4 vezes por ano. Mas há outros dados interessantes, por isso vale a pena espreitar aqui.
Um outro estudo igualmente importante é o The CAF World Giving Index, um relatório que mede o grau da generosidade dos doadores em todos os países do mundo.
O relatório é publicado anualmente pela fundação britânica Charities Aid Foundation, com base e dados recolhidos pela norte-americana Gallup.

Este índice anual avalia o envolvimento solidário de 145 países e dos seus cidadãos medindo a ajuda a cidadãos estrangeiros, a doação de donativos para causa solidárias e o tempo dedicado ao voluntariado.
Como nos anos anteriores, Myanmar lidera o ranking da generosidade em vários níveis, principalmente no campo dos donativos e do voluntariado.
Portugal ocupa a 82.ª posição do ranking, caiu quatro posições desde o ano passado. A melhor classificação nacional está relacionada com o apoio a cidadãos estrangeiros (66.º), no que diz respeito aos donativos fica-se pelo 85.º lugar, pior só mesmo no tempo que os portugueses dedicam ao voluntariado: 91.ª posição.

Por fim, já está online todo um manancial de informação sobre o estado da filantropia nos EUA:


 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que é o Fundraising?

«O conjunto de estratégias e procedimentos que levam as pessoas a darem voluntariamente recursos financeiros»

- O seu objetivo é conseguir doações;
- Mais do que conseguir doações, é conseguir doadores;
- Mais do que conseguir doadores é montar um sistema de conquista de doadores;
- Um sistema que os leve a doar cada vez mais e com maior frequência;
- Por fim, um sistema que os leve a deixarem um legado;
- E que façam tudo isso com alegria identificando-se com a causa da instituição.

Fundação Maria do Carmo Roque Pereira

Caros Amigos
Como muitos já sabem, o Miguel e eu dedicamo-nos de alma e coração já há vários anos à Fundação Maria do Carmo Roque Pereira.

A Fundação é uma IPSS cuja actividade principal é uma creche e um jardim Infância na zona da Graça, em Lisboa, com 50 Crianças entre os 18 meses e os 5 anos. Apoiamos também cerca de 80 familias (mais de 250 pessoas) através da entrega de cabazes do Banco Alimentar.

Funcionamos há alguns anos nos Claustros da Igreja da Graça. Um sitio lindissimo mas com muitas limitações e algumas faltas de condições, que todos os dias vamos tentando melhorar para oferecermos o melhor serviço - a equipa que ali está é extraordinária e às vezes faz verdadeiros milagres.

Como IPSS vocacionada para o apoio a famílias desfavorecidas e com muitas dificuldades, todos os dias apertamos o cinto e temos mesmo a corda ao pescoço.
Precisamos de adquirir equipamentos e materiais, e sobretudo algumas obras são necessárias para que possamos manter os requisitos míni…

Chamadas telefónicas de valor acrescentado

Recebi um e-mail com esta mensagem e embora não concorde com tudo o que se diz, aliás porque entendo que haja um custo de manutenção, deixo aqui este registo sobre as chamadas de valor acrescentado e que é sintomático daquilo que as pessoas pensam. Qualquer novo serviço, por mais positivo que seja, se não for suficientemente bem explicado, pode levantar dúvidas e até calúnias.

«É uma vergonha o que se passa com o valor das chamadas telefónicas de ajuda a vítimas de catástrofes. Vejamos então o que se passa com as ditas chamadas: Cada chamada custa a quem a faz 72 centimos (60 centimos + IVA). No entanto para as organizações de ajuda no terreno são canalizados apenas 50 centimos, ou seja mais ou menos 69% do que pagámos. Os restantes 31% - 22 cêntimos - vão uma parte para o IVA 20% e restante não sabemos bem para quem.

Assim, dos 72 centimos que oferecemos, temos que:
- organizações de Solideriedade recebem 50 centimos
- para os cofres do governo através do IVA 20% 12 cêntimos
- não sab…